• Grey Facebook Icon
  • Grey Twitter Icon
  • Grey Instagram Icon

"Bensimon constrói habilmente o olhar infantil e a passagem para a vida adulta com uma voz nova e original dentro da narrativa jovem latino-americana"

Nathalie Jarast, La Nación

"Os três contos são ótimos e no conjunto eles têm força também. A Caixa é meu favorito, e na verdade é um dos melhores contos que li em muito tempo. A linguagem é afinada, as descrições são ótimas, aqui e ali surgem comparações maravilhosas. A estrutura está perfeita, os personagens muito bem desenhados, e não lembro de ter visto uma peça arquitetônica ganhar status de personagem de modo tão poderoso em qualquer outro conto."

Daniel Galera

"Composto de três histórias que, embora autônomas, têm em comum uma melancólica visão da passagem da adolescência para a vida adulta, o livro consegue apropriar-se desse tema de forma bastante original. Fugindo da banalidade de uma narrativa egóica e linear, Carol constrói personagens verossímeis que vivenciam um mundo reconhecível, por meio de olhares diversos e complementares, e se utilizam de uma linguagem que, como o pó da parede, esconde estruturas sólidas."

Luiz Ruffato, Bravo!

"Três histórias que apresentam uma unidade e um domínio técnico admirável para uma primeira publicação autoral."

Carlos André Moreira, Zero Hora

"É frequente – e natural – que um jovem autor concentre suas narrativas nos conflitos de personagens igualmente jovens (ou até mais jovens). É menos comum que o olhar sobre esses conflitos tenha atingido grau suficiente de maturidade para compreendê-los em um primeiro livro."

Martín Cristal, La Voz

"É um livro que exige uma leitura lenta, um desfrute da sensação anexada à palavra. Ele conduz o leitor por uma escrita singular, que brilha na tradução de Martín Caamaño."

Betina González, Clarín

PÓ DE PAREDE

De volta à casa modernista onde cresceu, Alice revive a tragédia que marcou sua adolescência. Em uma pequena cidade, o início de uma misteriosa construção modifica a rotina das irmãs Lina e Titi. Clara, aspirante à escritora, emprega-se em um hotel da serra e transforma-se no Capitão Capivara.

Nas três histórias de Pó de parede, as personagem encaram com sarcasmo e delicadeza as suas desilusões, revelando o lado melancólico da juventude.